Movimento Parque Verde

Assina a Petição

 

 

 

quinta-feira, setembro 28, 2006

A ameaça dos Furacões

O que é um furacão?



Um furacão é uma tempestade tropical em que os ventos atingem velocidades acima dos 120km/h, que sopram numa grande espiral, em redor de um centro relativamente calmo. O olho da tempestade tem normalmente entre 30 a 40 km de largura, podendo no entanto chegar a mais de km 500km. No olho,não há nuvens de tempestade e quase não há vento.
Desenvolvem-se quando os raios de sol aquecem águas tropicais até pelo menos 28ºC. Este aquecimento provoca a elevação do ar quente e com ele água sob a forma de vapor, a uma velocidade cada vez maior. Em cerca de 12 horas o ar quente começará a circular, formando ventos cada vez mais fortes. Quando o ar quente que sobe pelo centro atinge alturas elevadas, arrefece, formando nuvens que circulam em torno do olho do furacão.
À medida que crescem, “alimentados” pelas águas quentes, e se movimentam, agitam o mar por debaixo deles, sugando o oceano e provocando ondas gigantescas.
Os maiores perigos destas tempestades ocorrem quando estas atingem a costa e incluem chuvas torrenciais, fortes ventos, trovoadas e relâmpagos, provocando em muitos casos inundações, queda de árvore e mesmo danos estruturais em edifícios.
Os ventos fortes são no entanto a primeira causa das habituais perdas de vidas e danos em propriedades, seguidos das inundações.
Para diminuir o perigo e os danos provocados por estas tempestades, vários cientistas têm tentado, sem sucesso, encontrar métodos para “desactivar” os furacões na sua primeira fase de desenvolvimento. Para já, resta acompanhar a evolução de cada um e criar mecanismos de alerta, de modo a ser possível avisar atempadamente as populações em risco e tentar diminuir ao máximo o impacto sobre estas.

Os Furacões em Nova Inglaterra – E.U.A.



A história mostra que a zona de Nova Inglaterra, no nordeste dos Estados Unidos, é sem duvida uma das zonas mais prováveis de ocorrência de furacões. É aqui, no estado de Massachussets, que se situa a cidade de New Bedford, terra adoptiva de muitos emigrantes portugueses, alguns da Cova Gala.
Desde 1900, 39 sistemas tropicais atingiram Nova Inglaterra. 25 deles foram classificados como Furacões, enquanto que 14 não passaram de Tempestades Tropicais.
Furacões de classe 3 ou superior (na escala se Saffir Simpson) são raros nesta zona, dado que a sua movimentação pelas aguais frias resultam num enfraquecimento à medida que se deslocam para norte. No entanto, por vezes a sua elevada velocidade de deslocação pode compensar estas perdas.
O Furacão mais forte, alguma vez a atingir esta zona, ocorreu em Setembro de 1938, tendo sido registadas velocidades máximas de rajadas de vento de 299km/h. Esta tempestade, associada a uma maré-cheia que subiu 3 metros acima do normal, provocou 600 mortos e cerca de 400 milhões de dólares de prejuízos.
Actualmente, com o aumento da população e dos recursos na região, estima-se que uma tempestade de tal intensidade provocaria prejuízos na ordem dos 17 biliões de dólares.
Na época dos furacões, que habitualmente dura entre meados de Julho e meados de Outubro, é comum Nova Inglaterra ser atingida por mais de um furacão.
Sendo New Bedford uma cidade com tradição piscatória, já perdeu alguns habitantes que no passado, por falta de avisos, encontraram estas tempestades em pleno oceano. Actualmente, com os meios tecnológicos ao dispor, todas as embarcações têm oportunidade de regressar a terra antes de serem atingidos.
Para precaver o avanço do mar e proteger a cidade, existem em New Bedford Barreiras Anti-Furacão à entrada do porto de abrigo, que são fechadas nestas ocasiões.

Nós por Cá

Provavelmente devido ao aquecimento global, resultado das emissões de CO2 por todo o planeta, os furacões, vão sendo cada vez mais frequentes e imprevisíveis.
Como prova a passagem do Furacão Gordon, na imagem, até mesmo a Europa, ainda que numa escala reduzida, parece já estar na rota destes sistemas tropicais.
Uma grande tempestade destas, numa terra como a Figueira da Foz, todo o Baixo Mondego e concretamente a Cova Gala, praticamente ao nível do mar, teria consequências catastróficas.
Dá que pensar sobre aquilo que andamos a fazer ao Planeta.

Comments on "A ameaça dos Furacões"

 

<Blogger JAM said ... (8:48 da tarde) : 

É importante pensarmos que não devemos brincar com a natureza porque não a conseguimos dominar. A tecnologia hoje consegue prevenir-nos dos furacões e estarmos preparados para eles. Os EUA, México, Caraíbas por exemplo são sítios que são atingindos regularmente por este tipo de tempestades. Portugal e a europa felizmente não são zonas propícias a tal fenómeno mas a irregularidade da atmosfera é já de tal ordem que pode encarregar-se de as trazer para este lado do oceano. O planeta tem de ser protegido. Só quando as pessoas vêem o "mar mais alto que a terra" é que param para pensar o mal que andam a fazer com o lixo, poluição do ar etc. É que um simples acto destes parecendo que não, está a juntar forças para mais tarde o "gigante" acordar e destruir tudo o que vier à frente.

 

<Blogger Ricardo said ... (5:48 da tarde) : 

Acredito mesmo que certas zonas da Cova Gala estarão mesmo abaixo do nivel do mar, nomeadamente as caves de certas casas.
Nestes fenomenos de grandes tempestades basta uma trite coincidencia de um uma grande chuvada, do tipo das que ocorrem no caso de furacões, coincidir com uma maré viva (cheia) e haverá risco de inundações. Senão vejamos... Muita chuva = grande volume de água a descer o Rio. Maré Cheia = grande Volume de Água a subir o Rio. Resultado: A água tem de escoar para algum lado... neste caso para terra.

 

<Blogger Jorge P.G. said ... (7:27 da tarde) : 

Boa tarde.
Chegado aqui através do blogue "Prais da Claridade", foi com prazer redobrado que descobri estas páginas de alguém que faz a sua vida nos Estados Unidos e, mais propriamente, num estado em que há tantos milhares de portugueses.
Artigo interessante, este dos furacões, e contado por quem deve estar preparado para conviver com eles ou, pelo menos, com a natural perspectiva de com eles se vir a encontrar. Um bom trabalho, portanto!
Quando quiser, dê um salto aos meus "mundos". Tento manter 7 à vossa escolha.
Um abraço a toda a colónia portuguesa de New Bedford e do Massachussets,pelo menos! :-)
Jorge P.G.- Lisboa

 

<Blogger Ricardo said ... (8:59 da tarde) : 

Caro jorge,
Obrigado pela visita, espero que tenha gostado do nosso canto.
Temo que tenha cometido um pequeno lapso no seu comentário.
Nenhum de nós 3 faz a vida nos Estados Unidos. Somos os 3 da Figueira da Foz, mais propriamente da Cova Gala.
No entanto, a maioria da minha familia vive lá, em New Bedford, por isso conheço bem alguma da realidade dos emigrantes de Massachussets, incluindo o fenómeno dos furacões.
Assim, alem de darmos a maioria da atenção a noticias da Figueira e da Cova Gala, New Bedford também merece um cantinho neste Blog, até porque existem centenas de pessoas oriundas de cá a viver em New Bedford. Com os descendentes já nascidos lá, já devem ser milhares.
Para conhecer um pouco mais da história, aconselho-o a ler este nosso post

http://chavedespedro.blogspot.com/2006/09/new-bedford-portugal-na-amrica.html

New Bedford, no Massachussets, faz parte da vida de todos os Cova Galenses. Quase todos os naturais de cá têm familia lá.
Um abraço.