Movimento Parque Verde

Assina a Petição

 

 

 

quinta-feira, setembro 14, 2006

H.D.F.F. – Mais uma vez espoliado

Como se já não bastasse o Hospital Distrital da Figueira da Foz ficar sem maternidade, transformando os Figueirenses automaticamente em “Coimbrinhas”, por despacho do Gabinete do Ministro da Saúde (nº18459/2006 de 12 de Setembro), o Serviço de Urgência deste Hospital vai ser despromovido para o nível mais baixo (S.U.B. – Serviço de Urgência Básica).

«Serviço de Urgência Básica (SUB)» o primeiro nível de acolhimento a situações de urgência, constitui o nível de cariz médico (não cirúrgico, à excepção de pequena cirurgia no SU), podendo estar sediado numa área de influência que abranja uma população superior a 40.000 habitantes em que, pelo menos para uma parte, a acessibilidade em condições normais seja superior a sessenta minutos em relação ao Serviço de Urgência Médico-cirúrgico (em que a população abrangida por cada hospital seja superior a 200.000 hab.) ou Serviço de Urgência Polivalente (Hospital Central) mais próximo.
Os recursos humanos mínimos de um SUB serão, dois médicos e dois enfermeiros, em presença física, um auxiliar de acção médica e um administrativo, por cada equipa. Em relação aos equipamentos, são requeridos material para assegurar a via aérea, oximetria de pulso, monitor com desfibrilhador automático e marca passo externo, electrocardiógrafo, equipamento para imobilização e transporte de traumatizado, condições e material para pequ8ena cirurgia, radiologia simples (esqueleto, tórax e abdómen) e patologia química/química seca.

Ora, o concelho da Figueira da Foz, que segundo o Censos de 2001 tem uma população de 62.601 hab (pelo menos de Inverno), faz cair o nosso Serviço de Urgência, automaticamente na classe SUB.
Tudo isto por culpa da racionalização de custos, disfarçada sob a mascara do melhoramento da eficiência e eficácia do Serviço Nacional de Saúde.
“As pessoas têm de se habituar a recorrer aos Centros de Saúde, em vez de atulharem as urgências” dizem os “entendidos”.
Muitas das pessoas que recorrem às urgências não têm outra opção. Corta-se, na saúde (neste caso nas urgências) quando milhares de pessoas não têm médico de família, ou têm de se levantar de madrugada para conseguir uma consulta.
Faz-me pensar que o Governo anda a brincar com a saúde dos Portugueses, com a obsessão cega de cortar na despesa.
Há demasiados gastos no S.N.S? Obviamente que há.
É preciso cortar nas despesas? Claro que sim.
Agora, é preciso diferenciar o que é gasto desnecessário do necessário, de modo a não se hipotecar a saúde pública com estes cortes, baseados apenas em números e estatísticas. Há que analisar caso a caso. O hospital Distrital da Figueira da Foz tem uma importância fulcral pela falta de alternativas viáveis de atendimento em horário alargado ou até mesmo 24h por dia.
Em nome da contenção de custos, qualquer dia começam os Figueirenses a nascer e a morrer a caminho de Coimbra por falta de condições no H.D.F.F.

Comments on "H.D.F.F. – Mais uma vez espoliado"

 

<Blogger Cristina said ... (12:25 da manhã) : 

Realmente algo tem que ser feito. Ainda me lembro quando o Hospital abriu e era um luxo, hoje parece um alojamento abandonado.

--------------------

Sou sim a mãe do Alex :). Ele este verão não foi porque arranjou um part-time e teve que trabalhar, e os amigos também, mas quem sabe se para o ano ele volta, isso se tiver juizo, coisa que agora lhe falta :p

----------------------

Como este mundo é pequeno!
;)

 

<Anonymous  said ... (12:02 da tarde) : 

Levem tudo, levem tudo....
levem também o vento e a praia para coimbra.
Gajos burros estes politicos

 

<Anonymous Filipe Freitas said ... (1:00 da manhã) : 

À vezes pensamos como é que estes "encerramentos" ocorreram tão depressa pelo País fora !...
Eu nasci aqui na antiga Maternidade da Figueira da Foz...
Depois passou para a Gala, sendo ao princípio, a freguesia de Lavos como local de nascimento, o que aumentou enormemente os "Lavoenses"... Depois mudaram as regras e passaram a ser "Figueirenses"...
Agora, sem praticamente ninguém estar à espera desta decisão política, passa-se para Coimbra...
Bem, agora só falta passar para Lisboa, para ser mais centralizado... LOL ...
Um bom fim de semana.
Abraço.

 

<Anonymous Anónimo said ... (10:13 da tarde) : 

Ó iluminado se fores pai (ou mãe) e nascer um filho vosso em Coimbra e a residência da mãe for na Figueira da Foz o bébé pode SER REGISTADO COMO NATURAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Aprende que não duro sempre.
Lógicamente que sou contra o fecho da Maternidade da Figueira. Estes socialeiros são todos uns fdp.

 

<Anonymous sarcaustico said ... (12:28 da tarde) : 

Daqui a uns anos não se é "natural de",mas sim, "concebido em"...!HE,HE,HE